• Donate
  • Newsroom
  • Contact Us

World Gastroenterology Organisation

Global Guardian of Digestive Health. Serving the World.

Guidelines


Diretrizes Práticas da Organização World Gastroenterology

Doença Diverticular

 

 

Núcleo da Equipe:

Dr. T. Murphy
Prof. R.H. Hunt
Prof. M. Fried
Dr. J.H. Krabshuis


PDF versão para download e impressão Seções:

(Clique para expandir seção)

1. Definições

Divertículo:

  • Uma protrusão sacular da mucosa através da parede muscular do cólon [25]
  • A protrusão ocorre em áreas de fragilidade da parede intestinal onde vasos sangüíneos podem penetrar
  • Tipicamente mede entre 5 e 10 mm
  • Divertículos são na realidade pseudo (falsos) divertículos, pois contém apenas mucosa e submucosa recobertas pela serosa

Doença Diverticular Consiste de:

  • Diverticulose - presença de divertículos no cólon
  • Diverticulite - inflamação de um divertículo
  • Sangramento diverticular

Tipos de Doença Diverticular

  • Simples - 75% não têm complicações
  • Complicadas - 25% apresentam abscessos, fístulas, obstruções, peritonite ou sepse

2. Epidemiology

Prevalência pela idade [1]:

  • 40 anos 5%
  • 60 anos 30%
  • 80 anos 65% [25]

Prevalência por gênero :

  • < 50 anos Mais comum em homens
  • 50–70 anos Levemente mais comum em mulheres
  • > 70 anos Mais comum em mulheres

Doença Diverticular em Jovens (<40 anos)

A DD é muito mais freqüente em pessoas mais velhas, com apenas 2 a 5% dos casos ocorrendo abaixo de 40 anos. A DD neste grupo mais jovem é mais freqüente em homens, com a obesidade como grande fator de risco (presente em 84 a 96 % dos casos) [1, 2]. Os divertículos localizam-se geralmente no cólon sigmóide e/ou no descendente.

O manuseio deste subgrupo de pacientes permanece controverso. O conceito de que a DD seria mais "virulenta" em jovens é assunto de debates. A história natural realmente mostra uma tendência à recorrência dos sintomas [3] e uma incidência aumentada de evolução desfavorável, com necessidade de cirurgia [4]. A cirurgia é freqüentemente o tratamento de escolha para pacientes jovens sintomáticos (aproximadamente 50%, comparados com 30% de sintomáticos entre todos os pacientes).

Em pacientes jovens sem co-morbidades, a cirurgia eletiva após um único episódio de diverticulite continua sendo uma recomendação racional.

3. Etiologia

Falta de Fibras Alimentares A falta de fibras na dieta foi inicialmente descrita como um possível fator etiológico no desenvolvimento da DD por Painter e Burkitt no final da década de 60 [5, 6]. Apesar da hipótese ser inicialmente recebida com alguma resistência, a sua confirmação foi demonstrada posteriormente por publicações como o Estudo de Seguimento de Profissionais da Saúde (Health Care Professionals Follow Up Study) [7].

  • O risco relativo de desenvolver DD é 0.58 em homens com muitas fibras na dieta
  • A DD é menos comum em vegetarianos [8]

A teoria atual sobre a fibra alimentar como agente protetor contra a formação de divertículos e, conseqüentemente, de diverticulite é: Fibras insolúveis causam a formação de fezes mais volumosas, que levam a uma efetividade reduzida nos movimentos de segmentação do cólon. O resultado disso é que a pressão intraluminal permanece próxima à normal durante a peristalse do cólon [25, 30].

Desenvolvimento da Doença Diverticular Não há evidência de relação entre o desenvolvimento de divertículos e tabagismo, consumo de álcool ou cafeína. Observa-se, no entanto, um risco aumentado de desenvolvimento de doença diverticular associado à dieta rica em carne vermelha e gordura. Este risco pode ser reduzido por uma dieta rica em fibras, especialmente se forem derivadas de celulose (frutas e vegetais) [9].

Risco de Complicações A DD complicada tem sido observada mais freqüentemente em pacientes tabagistas, que utilizam AINEs, incluindo o acetaminofeno (paracetamol), são obesos e têm dieta pobre em fibras [33]. A DD complicada não é mais comum em pacientes que ingerem álcool ou bebidas cafeinadas.

Localização da Doença Diverticular A apresentação mais típica é a de um pseudodivertículo de pulsão (o divertículo não contém todas as camadas da parede do cólon - a mucosa e a submucosa se projetam através da camada muscular e são recobertas pela serosa). Há quatro pontos bem definidos ao redor da circunferência intestinal onde os vasos retos penetram a camada de musculatura circular. Os vasos entram na parede a cada lado da tênia mesentérica e na borda mesentérica das duas tênias antimesentéricas. Não se formam divertículos distais à junção retossigmóidea, pois as tênias se coalescem para formar uma camada muscular longitudinal.

Distribuição:[1 Envolvimento do sigmóide 95%; Apenas em cólon sigmóide 65%; Todo o cólon 7%; Próximo ao cólon sigmóide (mas sigmóide normal) 4% [25]

História Natural. A diverticulose é: Assintomática em 70%; Leva a diverticulite em 15–25%; Associada a sangramento em 5–15% [25]

4. Fisiopatologia

DIVERTICULOSE

Os pontos de penetração dos vasos retos na parede intestinal são áreas de fragilidade da parede onde uma porção da mucosa e da submucosa (recobertas pela serosa) pode se projetar. A segmentação pode ocorrer como resultado do aumento da pressão intracolônica em certas áreas. Representa fortes contrações musculares da parede que serviriam para propelir o conteúdo luminal ou interromper a sua passagem. As pressões individuais nas câmaras são temporariamente maiores que aquelas encontradas quando o cólon não está segmentado. A segmentação do cólon na diverticulose é exagerada, causando oclusão de ambas as extremidades das câmaras, resultando em alta pressão em seu interior. [25].

O cólon sigmóide é geralmente afetado, provavelmente devido ao seu menor calibre. A Lei de Laplace explica o desenvolvimento através da equação P=kT/R. (onde P é pressão, k é uma constante, T é tensão na parede e R é o raio). A maioria das complicações, portanto, está localizada nesta área. O sigmóide e outros segmentos intestinais na doença diverticular tornam-se não complacentes por diversos mecanismos:

  • "Mychosis" - conjunto de alterações que inclui espessamento da camada de músculos circulares, encurtamento das tênias e estreitamento do lume.
  • Elastina - aumento na deposição de elastina entre as células musculares e as tênias. A elastina também é depositada em uma forma contraída que leva ao encurtamento da tênia e ao acotovelamento da musculatura circular.
  • Colágeno - doenças do tecido conjuntivo, como a Síndrome de Ehlers-Danlos, a Síndrome de Marfan e a doença policística renal autossômica dominante resultam em mudanças estruturais na parede intestinal, levando a uma redução na sua resistência à pressão intraluminal e, portanto, permitindo a protrusão de divertículos.

DIVERTICULITE

Este termo representa um espectro de mudanças inflamatórias que variam de uma inflamação local subclínica à peritonite generalizada com perfuração livre de alça. O mecanismo de desenvolvimento da diverticulite está centrado na perfuração do divertículo, seja ela micro ou macroscópica. O antigo conceito de obstrução do óstio do divertículo provavelmente só ocorre raramente. A pressão intraluminal aumentada ou partículas de comida espessadas podem causar erosão na parede diverticular, que progride para inflamação, necrose focal e perfuração (micro ou macroscópica). A manifestação clínica da perfuração depende do seu tamanho e de quão vigoroso for o seu tamponamento pelo organismo. Perfurações, se bem controladas, resultam na formação de um abscesso, enquanto que o tamponamento incompleto pode levar a perfuração livre..

  • Diverticulite simples: 75% dos casos
  • Diverticulite complicada: 25% dos casos (abscessos, fístulas ou perfurações)

Diagnóstico A maioria dos pacientes apresenta dor no quadrante inferior esquerdo . A presença de descompressão brusca dolorosa indica algum grau de envolvimento peritoneal. Febre e leucocitose são outros achados inespecíficos, mas importantes.

Exame físico. O exame físico pode ser relativamente normal, mas geralmente revela desconforto ou massa abdominal. Sintomas urinários podem sugerir a presença de flegmão pélvico.

Diagnóstico Diferencial

  • Carcinoma intestinal — pielonefrite
  • Doença inflamatória intestinal — apendicite
  • Colite isquêmica
  • Síndrome do intestino irritável
  • Doença inflamatória pélvica

Investigações

  • Radiografias de tórax e abdome - geralmente não mostram sinais específicos de DD, mas o pneumoperitônio pode ser visto em 11% dos pacientes com diverticulite aguda.
  • A radiografia abdominal é relatada como anormal em 30 a 50% dos pacientes com diverticulite aguda.
  • Os achados mais comuns incluem: — Dilatação dos intestinos grosso e delgado ou íleo paralítico — Obstrução intestinal — Densidades em tecidos moles sugestivas de abscessos [26, 27]

O diagnóstico feito apenas com dados clínicos é incorreto em 33% dos casos. Do ponto de vista de investigação diagnóstica, a tomografia computadorizada é melhor que a ultra-sonografia. A diverticulite é geralmente considerada como uma doença predominantemente extraluminal. A tomografia computadorizada oferece o benefício de avaliar tanto o intestino quanto o mesentério com uma sensibilidade de 69 a 98% e uma especificidade de 75 a 100%. Os achados tomográficos mais observados na diverticulite aguda são:

  • Espessamento da parede intestinal
  • Gordura mesentérica raiada
  • Abscesso associado [25]

Em uma série de 42 pacientes com diverticulite, a tomografia computadorizada observou[10]:

  • Gordura com inflamação em raias: 98%
  • Divertículos: 84%
  • Espessamento da parede intestinal: 70%
  • Abscesso pericolônico: 35%
  • Peritonite: 16%
  • Fístula: 14%
  • Obstrução colônica: 12%
  • Tratos sinusais intramurais 9%

Outras investigações

  • Achados ultra-sonográficos podem incluir espessamento da parede colônica e tumorações císticas.
  • Enema contrastado - no quadro agudo, é reservado especialmente para quando o diagnóstico não está claro. Tem uma sensibilidade de 62 a 94% com uma taxa de falsos negativos de 2 a 15%. O diatrizoato de meglumina é um contraste hiperosmolar que pode assistir na suboclusão intestinal, se estiver presente.
  • Endoscopia - proctossigmoidoscopia / sigmoidoscopia flexível. O uso de procedimento endoscópico, com a inerente insuflação de ar, é relativamente contra-indicado no quadro agudo pelo aumento no risco de perfuração intestinal.

OBSTRUÇÃO

  • A obstrução colônica completa causada pela doença diverticular é relativamente rara, sendo responsável por apenas cerca de 10% das obstruções do órgão.
  • A suboclusão é mais comum, resultado de uma combinação de edema, espasmo do cólon e processo inflamatório crônico.
  • A diverticulite aguda pode levar à oclusão parcial do cólon pelo edema (colônico, pericolônico) ou por compressão por abscesso.
  • A fibrose recorrente progressiva e/ou estreitamento do cólon podem desencadear uma obstrução completa ou de alto grau (freqüentemente é difícil, mas importante, distinguir entre uma estenose induzida por divertículo de uma neoplasia).

ABSCESSO

  • A formação de um abscesso diverticular complicado é dependente da habilidade dos tecidos peri-cólicos de controlar (localizar) a disseminação do processo inflamatório.
  • Em geral, abscessos intra-abdominais são formados por:
    • Vazamento de anastomose = 35%
    • Doença diverticular = 23%
  • A disseminação controlada da perfuração forma um flegmão, enquanto que processos mais avançados (mas ainda localizados) levam à formação de um abscesso.
  • Sinais e sintomas: Febre e/ou leucocitose apesar da antibioticoterapia adequada; tumoração abdominal dolorosa
  • Tratamento
    • Abscessos peri-cólicos pequenos - 90% irão responder apenas a tratamento conservador com antibióticos.
    • Drenagem percutânea de abscesso (DPA) é o tratamento de escolha para coleções pequenas, simples e bem definidas. Um grupo da Universidade de Minnesota publicou uma taxa geral de sucesso de 76%.
    • 100% dos abscessos uniloculares simples se resolvem com DPA e antibioticoterapia. Fatores identificados como limitantes do sucesso dessa estratégia incluem: Coleção multilocular, Abscessos associados a fístulas entéricas, and abscesses containing solid or semisolid material [16].

PERFURAÇÃO (Perfuração Livre)

A perfuração livre é felizmente incomum. Ocorre mais freqüentemente no paciente imunocomprometido. É associada com a mais alta taxa de mortalidade, de até 35%. A intervenção cirúrgica de urgência é necessária na maioria dos casos..

FÍSTULAS

Fístulas ocorrem em 2% dos pacientes com doença diverticular complicada. A formação da fistulo decorre de um processo inflamatório local, que evolui para um abscesso que é descomprimido espontaneamente por uma perfuração de alça intestinal vizinha, outra víscera ou através da pele. O trato fistuloso geralmente é único, mas pode ser múltiplo em 8% dos pacientes.

Fístulas são mais freqüentes Em homens do que em mulheres (2:1); Em pacientes com cirurgia abdominal prévia; Em pacientes imunocomprometidos.

Tipos de fístulas associadas à Doença Diverticular:

  • Colovesical: 65%
  • Colovaginal: 25%
  • Colocutânea: não disponível (n/d)
  • Coloenteral: não disponível (n/d)

Diagnóstico: O diagnóstico pode exigir a realização de múltiplos testes, sendo que as fístulas são geralmente observadas por tomografia computadorizada, enema de bário, vaginoscopia, cistoscopia e fistulografia.

Tendências um grupo de Yale observou as seguintes tendências em relação a fístulas intra-abdominais:

  • Fístula de DD - pacientes mais velhos com pneumatúria;
  • Fístula de neoplasia - fecalúria, sintomas gastrintestinais e hematúria;
  • Fístula de doença de Crohn - pacientes mais jovens, dor, tumoração abdominal e pneumatúria [11]

HEMORRAGIA

Além das hemorróidas e outras desordens perianais não neoplásicas, o câncer colorretal é a causa mais comum de hemorragia gastrintestinal baixa. A Doença Diverticular permanece a causa mais comum de sangramento gastrintestinal baixo maciço, responsável por 30 a 50% dos casos. Estima-se que 15% de todos os pacientes com diverticulose apresentarão sangramento em algum momento de suas vidas. A hemorragia geralmente é abrupta, indolor e de grande volume, sendo 33% maciças, exigindo hemotransfusão de emergência [25]..

Apesar disso, o sangramento pára espontaneamente em 70 a 80% dos casos. Demonstrou-se que o uso de antiinflamatórios não esteroidais aumenta o risco de sangramento por doença diverticular, sendo que mais de 50% dos pacientes que se apresentam com divertículo sangrante estão fazendo uso de AINEs. A angiodisplasia é responsável por 20 a 30% da hemorragia gastrintestinal baixa.

Mecanismo. Com a protrusão da mucosa que leva à formação do divertículo, os vasos sangüíneos responsáveis pela fragilidade da parede intestinal dispõem-se de modo ondulado na sua cúpula. Dessa forma, estes vasos estão separados da luz intestinal apenas por uma fina camada de mucosa, expondo a artéria ao trauma pelo conteúdo intestinal e levando conseqüentemente à propensão a hemorragias [25].

A análise histológica desses vasos rompidos revela uma arquitetura que suporta essa teoria. A ruptura assimétrica dos vasos retos, vasos expostos na cúpula do divertículo, ocorre em direção à luz do mesmo, na cúpula e na margem antimesentérica. Fatores de injúria à luz colônica produzem dano assimétrico dos vasos retos subjacentes, resultando em fragilidade segmentar da artéria e predisposição à ruptura em direção ao lúmen. A ruptura é associada a espessamento excêntrico da íntima dos vasos e adelgaçamento da média, próximo ao ponto de sangramento. Também observa-se uma notável ausência de inflamação (diverticulite) nesse processo [25].

Apesar da relação anatômica entre os vasos penetrantes e os divertículos ser similar nos lados direito e esquerdo do cólon, o foco de sangramento ocorre no lado direito em 49 a 90% dos pacientes [12, 13, 14]. Naqueles pacientes com um episódio inicial de sangramento, 30% apresentarão um segundo episódio e, destes, 50% um terceiro.

A fonte do sangramento não é identificada em até 30 a 40% dos casos. Métodos para localizar o foco do sangramento incluem:

  • Angiografia seletiva:
    • É necessário sangramento mínimo de 1,0 a 1,3 mL por minuto.
    • Esse método tem a vantagem de permitir intervenção terapêutica na forma de: vasopressin, somatostatin; embolization; and marking the area with methylene blue for future investigation.
  • Cintilografia
    • O sangramento pode ser detectado até 0,1 mL por minuto
    • Vários tipos de isótopos podem ser utilizados, incluindo: 99m Colóide de enxofre marcado com tecnécio, Clareado em minutos , Concentra-se na luz, vantagem - pouco tempo para completar o estudo; Hemácias marcadas Meia vida de circulação mais lenta Pode ser repetido em até 24 a 36 horas

A precisão dos testes para sangramento varia de 24 a 91%.

Colonoscopia:

  • A colonoscopia está mais indicada para sangramentos autolimitados. Em pacientes com sangramento moderado que cessou, o exame endoscópico pode ser realizado com segurança em 12 a 24 horas. .
  • Em pacientes com sangramentos menos severos, a colonoscopia é uma opção razoável como procedimento ambulatorial.
  • Permanece um importante método para excluir a neoplasia (32%) ou o carcinoma (19%) como fonte do sangramento.
  • Colonoscopia de emergência. A colonoscopia de emergência após lavagem intestinal agressiva tem sido proposta por diversos autores [28, 29]. A intervenção terapêutica com injeção de epinefrina ou esclerosante ou termocoagulação de divertículos identificados como fonte do sangramento pode levar a redução precoce da hemorragia. A presença de outros divertículos e sua inerente propensão ao sangramento tornam pouco provável que a intervenção endoscópica aguda afete a taxa geral de ressangramento a longo prazo.

Cirurgia de Urgência para o SangramentoA cirurgia de urgência para o sangramento relacionado à doença diverticular controla a hemorragia em apenas 90% dos pacientes. As indicações para a intervenção cirúrgica de urgência incluem:

  • Instabilidade hemodinâmica não responsiva às técnicas convencionais de ressuscitação
  • Transfusão de concentrado de hemácias > 2000 mL (aproximadamente 6 unidades)
  • Hemorragia recorrente maciça

5. Gerenciamento Clínico e Cirúrgico

Gerenciamento Clinico (Diverticulite)

Tratamento ambulatorial: pacientes com dor ou desconforto abdominal leve e sem sintomas sistêmicos:

  • Dieta de poucos resíduos a curto prazo
  • Antibióticos por 7 a 14 dias (amoxicilina/ácido clavulânico, sulfametoxazol-trimetoprima ou quinolona+metronidazol por 7 a 10 dias)
  • Após início do tratamento, esperar melhora em 48 a 72 horas
  • É importante que o espectro cubra E.coli e Bacteroides fragilis.
  • Se não houver melhora em 48 a 72 horas, investigar a possibilidade de coleção intra-abdominal.

Tratamento intra-hospitalar: Pacientes com sinais e sintomas severos (1 a 2% dos casos):

  • Admissão hospitalar
  • Repouso intestinal
  • Antibioticoterapia endovenosa (com cobertura para gram negativos e anaeróbios) por 7 a 10 dias
  • Hidratação endovenosa
  • Analgesia (meperidina). Meperidina (peptidina) é preferida à morfina, pois a segunda pode levar ao aumento da pressão intracolônica no sigmóide.
  • Se houver melhora clínica em 48 horas, manter conduta e iniciar dieta de poucos resíduos no quadro agudo. Os antibióticos podem ser trocados para via oral se o paciente estiver afebril por 24 a 48 horas com redução na contagem de leucócitos.
  • Se não houver melhora, suspeitar de flegmão ou coleção (abscesso) e realizar investigação adequada.

Some 15 a 30% dos pacientes admitidos para tratamento de diverticulite necessitarão de cirurgia durante a internação, com uma taxa de mortalidade associada de 18%.

Investigaçãos

  • Enema de Bário Impreciso em 32% dos casos de diverticulite aguda
  • Colonoscopia
  • Espasmo intestinal
  • Estreitamento da luz pela proeminência das pregas
  • Fixação do cólon por inflamações prévias e fibrose pericólica

Gerenciamento Cirurgico (Diverticulite)

Entre 22 e 30% dos pacientes com um primeiro episódio de diverticulite apresentarão um segundo [31]. A intervenção cirúrgica urgente é mandatória se surgirem complicações, que incluem:

  • Perfuração livre com peritonite generalizada
  • Obstrução
  • Abscesso não controlado por drenagem percutânea
  • Fístulas
  • Deterioração clínica ou ausência de melhora com tratamento conservador [25]

A cirurgia eletiva é uma situação mais comum. A cirurgia é realizada após preparo intestinal adequado. As indicações cirúrgicas mais freqüentemente citadas incluem:

  • Dois ou mais episódios de diverticulite severa o suficiente para levar a hospitalização
  • Qualquer episódio de diverticulite associado a vazamento de contraste radiológico (bário), sintomas obstrutivos ou incapacidade de diferenciar entre diverticulite e câncer

A ressecção geralmente é realizada entre 6 e 8 semanas após qualquer episódio agudo de inflamação.As opções cirúrgicas variam dependendo se a indicação é de urgência ou eletiva. Geralmente a cirurgia eletiva envolve a ressecção do cólon sigmóide. A cirurgia é realizada após preparo intestinal mecânico e com antibioticoterapia. O procedimento pode ser realizado por via aberta ou laparoscópica. A presença de inflamação e fibrose pode impedir a técnica laparoscópica.

Há numerosas opções para a intervenção cirúrgica de urgência na diverticulite aguda e suas complicações. As controvérsias em relação a essas opções historicamente envolvem a necessidade de ressecção primária na cirurgia inicial e realização de um procedimento em dois ou três tempos contra um procedimento único. A ressecção primária é aceita hoje como padrão e tem sido demonstrada em diversos estudos que está:

  • Associada a menor tempo de internação hospitalar [18, 19]
  • Associada a menor morbidade do que com a colostomia sozinha e drenagem [20, 21]
  • Associada a menor mortalidade do que a colostomia sozinha (26% para colostomia sem contra 7% para colostomia com ressecção)
  • Associada a vantagem de sobrevivência [22]

A cirurgia de Hartmann, originalmente descrita em 1923 [17], foi inicialmente elaborada para o tratamento do câncer retal. É um procedimento em estágios, onde o cólon sigmóide é mobilizado e ressecado, o reto é fechado e uma colostomia é realizada. A colostomia é então fechada tardiamente (geralmente cerca de 3 meses após), com restauração da continuidade do cólon. Este procedimento em estágios apresenta problemas, que incluem a necessidade de uma segunda intervenção, a formação de cicatriz retal e dificuldade em completar a anastomose.

Colostomia transversa e drenagem é um outro procedimento em estágios (sem ressecção primária), onde é realizada uma colostomia inicial, seguida de ressecção do segmento doente e o fechamento tardio da colostomia. Este procedimento é associado a uma morbidade de 12% e uma mortalidade de 5 a 29% [22, 23, 24].

O conceito de anastomose primária surgiu dos problemas inerentes com o estágio de revisão da cirurgia de Hartmann. A anastomose primária é o procedimento de preferência na maioria dos pacientes com preparo intestinal adequado, mas é contra-indicado se o paciente estiver instável, apresentar peritonite fecal ou se estiver severamente desnutrido ou imunocomprometido

A ressecção com anastomose primária e estoma proximal é um procedimento modificado e empregado em casos individualizados, que facilita a reversão da colostomia através de uma cirurgia em segundo tempo menos invasiva.A cirurgia em um tempo com lavagem intestinal "na mesa" também pode ser utilizada no quadro agudo para permitir a anastomose primária de um intestino com preparo não ideal.

6. Outras Formas de Doença Diverticular

Diverticulite Recorrente Pós-Ressecção

  • A diverticulite recorrente pós-ressecção é rara, variando entre 1 a 10%. Geralmente, a progressão da doença diverticular no cólon remanescente é de aproximadamente 15%.
  • A taxa de reoperação para DD varia entre 2 e 11% e depende da cirurgia escolhida inicialmente. O uso do reto como margem distal reduz a taxa de recorrência (quando comparado com o sigmóide como margem).
  • Deve ser tomado cuidado ao excluir outras causas de sinais e sintomas da doença diverticular, como síndrome do intestino irritável (SII) ou colite isquêmica.

Associações importantes:

  • Diverticulite e doença de Crohn - especialmente em idosos
  • Diverticulose e SII
  • Até 30% dos pacientes com DD têm SII

Diverticulite No Lado Direito

A diverticulose na Ásia é um fenômeno que ocorre predominantemente no lado direito, em 35 a 84% dos casos. A idade mais precoce de aparecimento sugere uma base genética, apesar disso ainda estar sob investigação. A doença diverticular à direita também está geralmente associada a divertículos múltiplos, enquanto que no Ocidente costuma haver divertículo único.

Diagnóstico diagnóstico de doença diverticular direita sintomática pode ser difícil de distinguir de apendicite. Pode apresentar-se com:

  • Dor no quadrante superior direito
  • Náusea, vômitos e febre
  • An abdominal mass is found in 26–88% of patients on clinical examination
  • Massa abdominal é encontrada em 26 a 88% dos pacientes ao exame físico A leucocitose é geralmente presente, mas é um achado inespecífico. A tomografia computadorizada é capaz de diagnosticar uma apendicite com sensibilidade e especificidade de 98%.

Tratamento O tratamento da doença diverticular à direita segue os mesmos princípios delineados em Gerenciamento Clínico (seção 5). As opções cirúrgicas são as mesmas já descritas, mas podem também incluir a diverticulectomia para doença confinada a uma área focal ou uma hemicolectomia direita.

Diverticulite Subaguda

Denomina-se diverticulite subaguda quando há episódios repetidos severos a moderados de diverticulite com há alguma resolução com o uso de antibióticos e tratamento conservador, mas sem resolução completa. A doença persiste de forma latente com febre baixa, dor em quadrante inferior esquerdo e alteração no hábito intestinal.

Diverticulite Latente

A diverticulite latente consiste de dor abdominal e mudança do hábito intestinal sem febre evidente ou leucocitose. Essa condição pode persistir por 6 a 12 meses.

A condição freqüentemente é diagnosticada pela presença de:

  • dor crônica em quadrante inferior esquerdo
  • diverticulose na anamnese e investigação
  • ausência de sinais de diverticulite

Tratamento Sigmoid resection provides complete resolution in 70% of cases.

Doença Diverticular No Paciente Imunocomprometido

As condições que levam a estado de imunocomprometimento incluem:

  • Infecção severa
  • Uso de corticosteróides
  • Diabetes Mellitus
  • Insuficiência renal (45 a 50% dos pacientes)
  • Malignidade
  • Cirrose
  • Quimioterapia ou tratamento imunossupressor - 13%

Os achados clínicos são geralmente muito sutis. A condição está associada com:

  • Risco aumentado de perfuração livre: 43% (contra 14% em imunocompetentes)
  • Necessidade aumentada de cirurgia: 58% (contra 33%)
  • Maior mortalidade pós-operatória: 39% (contra 2%)

Divertículo Gigante (Cólon)

Esta é uma condição rara descrita inicialmente por Bonvin e Bronte em 1942.

  • Gênero Masculino = feminino
  • Idade Geralmente ocorre em pacientes com mais de 50 anos
  • Tamanho Deve ter diâmetro > 13 cm
  • Localização Quase exclusivamente no sigmóide
  • Mecanismo Efeito de válvula em bola, com ar sendo preso no divertículo
  • Tipos Tipo 1 = pseudodivertículoTipo 2 = divertículo verdadeiro

7. Aspectos Globais

Variação Geográfica

Nos países desenvolvidos, a prevalência da doença diverticular varia entre 5 e 45%. A maioria dessa população (90%) é composta por pacientes com doença em cólon distal. Apenas 1,5% dos casos envolvem exclusivamente o cólon direito [30].

Em contraste, indivíduos na África e Ásia que desenvolvem doença diverticular têm predominantemente envolvimento do cólon direito (70-74%), especialmente do cólon ascendente.

Em Singapura, apenas 23 % dos pacientes têm envolvimento do cólon sigmóide e 70% destes com diverticulose à direita têm menos de 40 anos de idade [31, 32].A idade precoce de aparecimento e a localização sugerem uma base genética para o desenvolvimento da doença diverticular no Oriente, mas isso permanece para investigação futura.

Apresar da crescente ocidentalização da sua dieta, o Japão ainda tem uma prevalência maior de DD à direita (mas os casos envolvendo o cólon esquerdo estão aumentando).

Hong Kong ainda tem uma prevalência de 76% de diverticulose à direita.

8. Referências de Literatura

  1. Young-Fadok TM, Roberts PL, Spencer MP, Wolff BG. Colonic diverticular disease. Curr Prob Surg 2000;37:457–514 (PMID: 10932672).
  2. Schauer PR, Ramos P, Ghiatas AA, Sirinek KR. Virulent diverticular disease in young obese men. Am J Surg 1992;164:443–8 (PMID: 1443367).
  3. Konvolinka CW. Acute diverticulitis under age forty. Am J Surg 1994;167:562–5 (PMID: 8209928).
  4. Ambrosetti P, Robert JH, Witzig JA, Mirescu D, Mathey P, Borst F, et al. Acute left colonic diverticulitis in young patients. J Am Coll Surg 1994;179:156–60 (PMID: 8044384).
  5. Anderson DN, Driver CP, Davidson AI, Keenan RA. Diverticular disease in patients under 50 years of age. J R Coll Surg Edinb 1997;42:102–4 (PMID: 9114680).
  6. Painter NS, Burkitt DP. Diverticular disease of the colon, a 20th century problem. Clin Gastroenterol 1975;4:3–21 (PMID: 1109818).
  7. Painter NS. The cause of diverticular disease of the colon, its symptoms and complications: review and hypothesis. J R Col Surg Edinb 1985;30:118–22 (PMID: 2991507).
  8. Talbot JM. Role of dietary fiber in diverticular disease and colon cancer. Fed Proc 1981;40:2337–42 (PMID: 6265284).
  9. Nair P, Mayberry JF. Vegetarianism, dietary fibre and gastro-intestinal disease. Dig Dis 1994;12:177–85 (PMID: 7988064).
  10. Stollman NH, Raskin JB. Diverticular disease of the colon. J Clin Gastroenterol 1999;29:241–52 (PMID: 10509950).
  11. Aldoori WH, Giovannucci EL, Rimm EB, Wing AL, Trichopoulos DV, Willet WC. A prospective study of alcohol, smoking, caffeine, and the risk of symptomatic diverticular disease in men. Ann Epidemiol 1995;5:221–8 (PMID: 7606311).
  12. Aldoori WH, Giovannucci EL, Rimm EB, Wing AL, Willett WC. Use of acetaminophen and nonsteroidal anti-inflammatory drugs: a prospective study and the risk of symptomatic diverticular disease in men. Arch Fam Med 1998;7:255–60 (PMID: 9596460).
  13. Kourtesis GJ, Williams RA, Wilson SE. Surgical options in acute diverticulitis: value of sigmoid resection in dealing with the septic focus. Aust N Z J Surg 1988;58:955–9 (PMID: 3202729).
  14. Morris J, Stellato TA, Lieberman J, Haaga JR. The utility of computed tomography in colonic diverticulitis. Ann Surg 1986;204:128–32 (PMID: 3741003).
  15. Hulnick DH, Megibow AJ, Balthazar EJ, Naidich DP, Bosniak MA. Computed tomography in the evaluation of diverticulitis. Radiology 1984;152:491–5 (PMID: 6739821).
  16. Pontari MA, McMillen MA, Garvey RH, Ballantyne GH. Diagnosis and treatment of enterovesical fistulae. Am Surg 1992;58:258–63 (PMID: 1586086).
  17. Gostout CJ, Wang KK, Ahlquist DA, Clain JE, Hughes RW, Larson MV, et al. Acute gastrointestinal bleeding: experience of a specialized management team. J Clin Gastroenterol 1992;14:260–7 (PMID: 1564303).
  18. Meyers MA, Volberg F, Katzen B, Alonso D, Abbott G. The angioarchitecture of colonic diverticula: significance in bleeding diverticulosis. Radiology 1973;108:249–61 (PMID: 4541643).
  19. Caserella WJ, Kanter IE, Seaman WB. Right-sided colonic diverticula as a cause of acute rectal hemorrhage. N Eng J Med 1972;286:450–3 (PMID: 4536683).
  20. Jensen DM, Machicado GA, Jutabha R, Kovacs TO. Urgent colonoscopy for the diagnosis and treatment of severe diverticular hemorrhage. N Engl J Med 2000;342:78–82 (PMID: 10631275).
  21. Bloomfield RS, Rockey DC, Shetzline MA. Endoscopic therapy of acute diverticular hemorrhage. Am J Gastroenterol 2001;96:2367–72 (PMID: 11513176).
  22. Lee YS. Diverticular disease of the large bowel in Singapore: an autopsy survey. Dis Colon Rectum 1986;29:330–5 (PMID: 3084185).
  23. Rodkey GV, Welch CE. Changing patterns in the surgical treatment of diverticular disease. Ann Surg 1984;200:466–78 (PMID: 6333217).
  24. Aguste L, Barrero E, Wise L. Surgical management of perforated colonic diverticulitis. Arch Surg 1985;120:450–2 (PMID: 3985790).
  25. Finlay IG, Carter DC. A comparison of emergency resection and staged management in perforated diverticular disease. Dis Colon Rectum 1987;30:929–33 (PMID: 3691263).
  26. Nagorney DM, Adson MA, Pemberton JH. Sigmoid diverticulitis with perforation and generalized peritonitis. Dis Colon Rectum 1985;28:71–5.
  27. Krukowski ZH, Matheson NA. Emergency surgery for diverticular disease complicated by generalized and faecal peritonitis: a review. Br J Surg 1984;71:921–7 (PMID: 6388723).
  28. Hartmann H. Nouveau procédé d’ablation des cancers de la partie terminale du cólon pelvien. XXXe Congrés Français de Chirurgie, Strasbourg, 1921: 411; cited in: Classic articles in colonic and rectal surgery. Henri Hartmann 1860–1952. New procedure for removal of cancers of the distal part of the pelvic colon. Dis Colon Rectum 1984;27:273 (PMID: 6370633).
  29. Smithwick RH. Experiences with surgical management of diverticulitis of sigmoid. Ann Surg 1942;115:969–83.
  30. Greif JM, Fried G, McSherry CK. Surgical treatment of perforated diverticulitis of the sigmoid colon. Dis Colon Rectum 1980;23:483–7 (PMID: 7002505).
  31. Chia JG, Wilde CC, Ngoi SS, Goh PM Ong CL. Trends of diverticular disease of the large bowel in a newly developed country. Dis Colon Rectum 1991;34:498–501 (PMID: 1645247).

9. Links Para Websites Úteis

  • Padrão Taskforce, Sociedade Americana de Cólon e Retal Surgeons (ASCRS). Parâmetros de prática para o Tratamento de sigmóide diverticulite. Documentação de apoio guideline por Douglas Wong e Steven D. Wexner. Esta é uma visão abrangente do tema datado de março de 2000, com 83 referências. O documento de texto completo está disponível gratuitamente a partir do site ASCRS em: : //ascrs.affiniscape.com/displaycommon.cfm?an=1&subarticlenbr=124
  • Stollman NH, Raskin JB. Diagnóstico e tratamento da doença diverticular do cólon em adultos. Ad Hoc Prática Comissão Parâmetros do American College of Gastroenterology. Am J Gastroenterol 1999; 94: 3110 & ndash; 21 (PMID: PMID: 10566700). Esta é uma visão completa do tema para e em nome da Comissão Parâmetros prática, o Ad Hoc do American College of Gastroenterology, datada de Julho de 1999. O documento está disponível gratuitamente através do site da ACG em: http://www.acg.gi.org/physicians/guidelines/DiverticularDiseaseoftheColon.pdf
  • Sociedade de Cirurgia do Trato Alimentar (SSAT): O tratamento cirúrgico da diverticulite. Esta diretriz o atendimento ao paciente é escrito principalmente para-médicos de cuidados primários para ajudar com as decisões sobre se deve ou não encaminhar um paciente para consulta cirúrgica. É um esquema básico lidar com os sintomas e diagnóstico, tratamento, riscos, resultados esperados e as qualificações para a realização de cirurgia de diverticulite. O documento está disponível gratuitamente no site da SSAT em: : //www.ssat. com / cgi-bin / divert.cgi
  • Sociedade Americana de Cólon e Retal Surgeons (ASCRS) reunião anual em San Diego, Califórnia, 03 de junho de 2001: webcast por Tonia Young-Fadok da Faculdade de Medicina Mayo em & ldquo; temas centrais & mdash; Doença diverticular & rdquo;. Registo gratuito em www.vioworks.com ; ir para a área palestras conferência anual ASCRS 2001 e escolher este.

10. Membros do Comitê de Diretrizes da WGO que Auxiliaram Nessa Diretriz

  • Prof. R.N. Allan (Birmingham)
  • Prof. Franco Bazzoli (Bologna)
  • Dr. Philip Bornman (Cape Town)
  • Dr. Ding-Shinn Chen (Taipei)
  • Dr. Henry Cohen (Montevideo)
  • Prof. A. Elewaut (Ghent)
  • Dr. Suliman S. Fedail (Khartoum)
  • Prof. Michael Fried (Zurich)
  • Prof. Alfred Gangl (Vienna)
  • Prof. Joseph E. Geenen (Milwaukee)
  • Dr. Saeed S. Hamid (Karachi)
  • Prof. Richard Hunt (Hamilton, Ontario)
  • Prof. Günter J. Krejs (Graz)
  • Prof. Shiu-Kum Lam (Hong Kong)
  • Dr. Greger Lindberg (Stockholm)
  • Dr. Hou Yu Liu (Shanghai)
  • Prof. Juan-R. Malagelada (Barcelona)
  • Prof. Peter Malfertheiner (Magdeburg)
  • Prof. Roque Saenz (Santiago de Chile)
  • Dr. Nobuhiro Sato (Tokyo)
  • Prof. Mahesh V. Shah (Nairobi)
  • Dr. Patreek Sharma (Kansas City)
  • Dr. Jose D. Sollano (Manila)
  • Prof. Alan B.R. Thomson (Edmonton)
  • Prof. Guido N. J. Tytgat (Amsterdam)
  • Dr. Nimish Vakil (Milwaukee)

11. Questões e Sugestões

O Comitê de Diretrizes Práticas agradece quaisquer comentários e sugestões que os leitores possam ter. Você sente que têm negligenciado alguns aspectos do tema? Você acha que alguns procedimentos estão associados com risco extra? Conte-nos sobre a sua própria experiência. Você está convidado a clicar no link abaixo e deixe-nos saber a sua opinião.

guidelines@worldgastroenterology.org

Share

Website Disclaimer

Cookie Notice

We use cookies to ensure you the best experience on our website. Your acceptance helps ensure that experience happens. To learn more, please visit our Privacy Notice.

OK